terça-feira, 7 de setembro de 2010

História

Os campos de jogos

O seu primeiro campo de jogos foi no "Campo de São Francisco", entretanto transformado no Largo de São Francisco, tendo ainda passado pelo “Campo da Senhora da Saúde”, situado onde estão hoje as instalações da emissora nacional, antes de se instalar definitivamente em 1924 no “Estádio de São Luís”.

As Associações e Filiações

Em 1914 fundou a “União de Futebol de Faro” juntamente com a Associação Académica do Liceu de Faro, a Escola Normal de Faro, e o Boavista Futebol Clube. Esta união passou a designar-se “União de Futebol do Algarve” e dissolveu-se em Janeiro de 1916. Em 1917 fundou-se, a então denominada “Associação de Futebol do Algarve”. Devido a desinteligências surgidas extingue-se em princípios de 1918 e em 15 de Outubro de 1921, reúnem-se no Ginásio Clube Farense os delegados dos seguintes clubes algarvios: Sporting Clube Farense, Sport Lisboa e Faro, Boxing Futebol Clube, Sporting Clube Olhanense, Lusitano Futebol Clube, Glória Futebol Clube, Portimonense Sporting Clube, Sport Club União, Sport Club “Os Leões Portimonenses” e Esperança Futebol Clube, que criaram efectivamente, a “Associação de Futebol do Algarve”, na madrugada de 16 de Outubro de 1921.

Em 1922, e depois de várias tentativas, o Sporting Clube Farense filiava-se finalmente ao Sporting Clube de Portugal, sendo a sua filial número 2.
Em 1923, a “Associação de Futebol do Algarve” filia-se na "União Portuguesa de Futebol" e na "Federação Portuguesa de Sport Atléticos", passando o Sporting Clube Farense assim a ser também seu filiado.

Dos campeonatos regionais aos nacionais

Desde a criação da primeira associação de clubes no Algarve, em 1914, que foram criados os primeiros campeonatos regionais, e o SC Farense foi o primeiro campeão regional, tendo conquistado o “Campeonato de Faro” em 1914 (prova disputada apenas uma vez e apenas com os 4 clubes da capital algarvia que constituíam a U.F.F.) e o primeiro “Campeonato do Algarve” na época de 1914/15. O SC Farense seria campeão do Algarve por mais 5 vezes até 1938.

A partir da época de 1934/35 a “Federação Portuguesa de Futebol” cria definitivamente as ligas nacionais e o SC Farense entra para a II Liga nacional, onde se mantém até 1937/38, altura em que as ligas se passam a designar “Campeonatos Nacionais” num modelo bem mais “democrático” que o anterior. Assim sendo, a partir de 1938/39 o SC Farense passa a competir no “Campeonato Nacional da 2ª Divisão” e logo no primeiro ano classificou-se em primeiro lugar da sua série. No ano seguinte, o SC Farense voltava a classificar-se em primeiro lugar da sua série, e depois nos play-off’s nacionais sagrar-se-ia pela primeira vez Campeão Nacional da 2ª Divisão na época de 1939/40. Curiosa e ironicamente o SC Farense não subiria de divisão para a tão ansiada 1ª Divisão, pois esse campeonato era restrito aos círculos de Lisboa e Porto não permitindo a entrada de outros clubes até 1941/42.

O SC Farense continuaria na 2ª Divisão, ficando por várias vezes em 1º lugar da “Zona Sul”, mas sem nunca conseguir, no entanto, sagrar-se campeão e subir de divisão.
Nas épocas de 1947/48 e 1952/53 desceria à 3ª Divisão, mas subindo logo no ano seguinte em ambos os casos. O SC Farense continuaria a sua caminhada pela 2ª Divisão com vários primeiros lugares sem nunca conseguir subir, contudo em 1965 o SC Farense entra no pior período da sua história até então, descendo à 3ª Divisão e ficando até 1968/69. Em 1969/70 o SC Farense regressa à 2ª Divisão em plena força e conquista finalmente a tão desejada subida à 1ª Divisão Nacional.

Em 1970/71 o SC Farense competia pela primeira vez no “Campeonato Nacional da 1ª Divisão” e conseguiria nessa época ganhar em casa ao Benfica, FC Porto e Belenenses, e ainda fora ao Boavista e acabaria a época em 10º lugar. Este era o início de três décadas “douradas” do SC Farense .

O SC Farense ficaria na 1ª Divisão durante seis épocas consecutivas, até 1975/76, chegando ainda a classificar-se no 7º lugar em 1973/74.
A caminhada pela 2ª Divisão duraria até 1982/83 culminando com a conquista, pela segunda vez, do “Campeonato Nacional da 2ª Divisão”, e a partir daí o SC Farense mostrava-se determinado em se afirmar como o principal emblema do Algarve, apesar de clubes como o Olhanense e o Portimonense terem tido até então melhores carreiras pelo escalão principal do futebol.
Em 1983/84 o SC Farense regressa à 1ª Divisão e desce dois anos depois. Não fica na 2ª Divisão mais do que uma época, subindo logo a seguir.

Melhor Período de Sempre

O SC Farense volta à 1ª Divisão em 1986/87, mas voltaria a descer à 2ª Divisão no ano de 1989/90. Ironicamente é nesse ano, competindo na 2ª Divisão, que o SC Farense escreve mais uma brilhante página na sua história.

Contra todas as expectativas o SC Farense chega à Final da Taça de Portugal, deixando para trás equipas como o GD Portalegrense (3-0), a UD Oliveirense (3-2), Odivelas (1-9), Esperança de Lagos (7-1), União da Madeira (0-0 e 2-0), Valonguense (4-0) e Belenenses (1-2) na meia-final. A 27 de Maio de 1990 encontra na final o Estrela da Amadora, onde empata (1-1) após prolongamento, o que obrigou a uma finalíssima oito dias mais tarde, onde perde por 2-0, a 3 de Junho.

O SC Farense tinha, no entanto, o primeiro lugar garantido no campeonato e a consequente subida, e partir de 1990/91 o SC Farense entra no melhor período de sempre, classificando-se logo em 7º lugar nesse ano, 6º lugar nas duas épocas seguintes, 9º em 1993/94 e culmina em 1994/95 com a melhor classificação de sempre, o 5º lugar no “Campeonato Nacional da 1ª Divisão” e o consequente acesso à Taça UEFA.

No ano seguinte a aventura pela Europa não durou muito, pois logo na 1ª eliminatória perdeu com o Olympique Lyonnais (0-1 e 1-0), mas foi suficiente para se afirmar definitivamente como a melhor equipa algarvia até então. Acabava de ultrapassar os mais directos rivais algarvios com a 16ª presença na 1ª Divisão (mais que qualquer outro), a presença na Taça UEFA (igualando o Portimonense) e a final da Taça de Portugal (igualando o Olhanense).
[editar]Crise e sucessivas descidas de Divisão

Manter-se-ia na 1ª Divisão até 2001/02 (entretanto designada “I Liga” desde 1999/00), quando entra no período mais negro da sua história, sofrendo a maior crise de sempre do clube e descendo consecutivamente de divisão três épocas seguidas, parando apenas na 3ª Divisão, mas culminando com a desclassificação em 2005/06, por ter dado 3 faltas de comparência devido a dificuldades financeiras que impediram a inscrição da equipa sénior nesse ano.

Começar de novo!

Contudo, o clube renasce no ano seguinte, começando pelo patamar mais baixo do futebol, a 2ª Divisão Distrital. Na época de "re-estreia", o SC Farense sagra-se facilmente Campeão Distrital da 2ª Divisão.

Já na época 2007/2008 o SC Farense volta facilmente a sagrar-se campeão, desta vez da 1ª Divisão Distrital, sendo promovido à ambicionada 3ª Divisão Nacional.

No regresso aos campeonatos nacionais, o clube manteve durante toda a época assistências no Estádio Algarve a rondar o milhar de adeptos, conseguindo em alguns jogos assistências de mais de 2000 adeptos, fazendo inveja a muitos clubes das ligas profissionais. A equipa classificou-se no 3º lugar a poucos pontos da promoção à 2ª Divisão B, sendo esse o principal objectivo da temporada desportiva.

No ano de 2009 decorreram eleições no Farense, com duas listas candidatas, tendo o acto eleitoral demonstrado a força associativa do clube com uma enorme participação dos sócios, tendo sido eleito como Presidente António Barão.

Em 2009/2010, o Sporting Clube Farense garantiu na última jornada, e perante uma assistência recorde na competição de cerca de 10 mil espectadores, o 2º lugar na Série F na 3ª Divisão Nacional e a consequente e tão desejada promoção à 2ª Divisão.

A formação algarvia com maior palmarés a nível nacional está assim a deixar para trás a grave crise do princípio do novo século, procurando recuperar rapidamente um lugar entre os grandes do futebol português, ao mesmo tempo que procura arranjar uma solução financeira para sanear o seu passivo através da venda de parte do seu património imobiliário.

Significado do Símbolo do SC Farense

Brasão de Faro

O símbolo do SC Farense representa para além do clube, também a cidade.
A parte superior do símbolo, encimada pelas iniciais SCF, é uma representação do brasão da cidade de Faro, em que:

O azul simboliza o céu e o amor celestial, é a cor da abóbada celeste.
O pano de muralha e torres, representam Faro enquanto cidade muralhada.
A imagem de Santa Maria (ou N. Sr.ª da Conceição), padroeira da cidade desde a época romana, de cor azul clara ou amarela, cercada por um resplendor em ouro, representa a fé cristã.
A estrela em ouro de oito pontas (octagrama) simbolizando a pureza da Virgem, contribui para realçar a sua dignidade.

A parte inferior representa o clube:

A cor alvinegra, é a cor do equipamento principal das modalidades do clube. O Sporting Clube Farense, inspirado no Sporting Clube de Portugal, decidiu adoptar as suas cores, tendo requerido uma foto do equipamento do mesmo. A foto a preto e branco, e de fraca qualidade, terá feito parecer que o verde seria negro, tendo sido essas as cores adquiridas pelo clube.

O Leão, o "rei dos animais", representa a força, bravura, e nobreza, que devem estar sempre presentes em todas as actividades do clube.

1 comentário:

Este espaço destina-se a comentar a notícia correspondente. Comentários e observações que nada digam respeito à notícia em questão ou ao Sporting Clube Farense serão eliminados. Respeite para ser respeitado!